Empreendedores e Executivos Precisam Olhar para Fora

,

Uma boa execução da estratégia envolve liderança na organização, além de atenção e articulação no ambiente externo. Entretanto, as pressões diárias podem fazer com que empreendedores e executivos tenham foco excessivo para dentro da organização, deixando de acompanhar questões estratégicas como posicionamento da concorrência, novidades tecnológicas e novas necessidades dos clientes.

O olhar interno predominante pode resultar em pouca clareza ou precisão na definição do posicionamento de mercado, da comunicação dos diferenciais e nas escolhas do que não pode deixar de ser feito pela empresa, inclusive delimitando o que não será realizado, crucial para manter o foco. Afinal, uma boa estratégia baseia-se em escolhas relativas a investimentos, mercados em que irá competir e competências ou ativos estratégicos que deverão ser desenvolvidos para que a organização tenha um desempenho claramente melhor que a concorrência em determinadas atividades chave.

A atenção ao ambiente externo ajuda a definir as prioridades internas.

Quando esta priorização não é feita, a empresa não conseguirá se diferenciar, oferecendo mais do mesmo, enquadrando-se na mediocridade. Mas atenção: essa priorização não quer dizer fazer algo radicalmente diferente. Algumas vezes isso pode se traduzir numa boa delimitação geográfica da área de atuação, dos clientes-alvo ou dos serviços oferecidos (exemplos: atuação focada no Centro de São Paulo; atender mulheres de classe B, com idade acima de 60 anos; vender somente alimentos funcionais).

Essas escolhas são feitas a partir da combinação de uma boa leitura do mercado e de avaliações das competências e possibilidades da organização com a autocrítica adequada.

Portanto fica um alerta: da mesma forma que muito foco no ambiente externo pode fazer com que os gestores não cuidem adequadamente de suas equipes, levando à falta de cuidado em questões fundamentais como delegação, monitoramento, gestão de conflitos e integração, o foco em demasia nas questões internas da organização pode levar a leituras inadequadas do mercado e à tomada de decisões que conduzam a organização no sentido oposto do desenvolvimento da competitividade.

Esse equilíbrio certamente não é fácil, mas deve ser um ponto de atenção constante para o êxito do negócio e da gestão.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.