A bela letra da música My Way, imortalizada na voz de Frank Sinatra proporciona muitas reflexões sobre o empreendedorismo. Para mim, a grande mensagem não é ser intransigente, como há margem para interpretar o “I did it my way / eu fiz do meu jeito”. Na minha visão, a ideia central é encontrar sua essência e buscar orgulho do que faz, agindo de acordo com seus valores e crenças e enfrentando os custos disso.

Viver uma vida plena, experimentando, “fazendo do seu jeito”, no sentido de viver seu propósito e investir no que acredita são a essência do ato de empreender, que requer correr riscos, tentar, errar, corrigir e investir muita energia.

Arrepender-se faz parte do processo, ainda mais quando a alternativa para descobrir o futuro é construir este futuro, tentando. Calcular cenários e planejar é extremamente importante, especialmente nos momentos de ambiguidade. Todavia, a tentativa, o aprendizado com os erros, a reflexão e avaliação, combinadas com a capacidade de se adaptar e promover ajustes são igualmente importantes, já que não conseguimos prever o futuro.

O foco na ação e a capacidade de execução também aparecem na letra: fazer o que precisa ser feito e ir até o fim no que começa são atitudes essenciais para transformar ideias e experimentações num projeto prático e real. Desistir no começo, deixar as coisas pela metade e não tentar o suficiente não estão no rol das atitudes empreendedoras. Um grande exemplo disso é a autora do sucesso Harry Potter, cujo projeto foi recusado por dezenas de editoras. Se ela tivesse desistido, a indústria do entretenimento não contaria com um de seus maiores sucessos de todos os tempos.

Sinatra também canta que às vezes enfrentamos desafios maiores do que nossas capacidades no momento e “abocanhamos mais do que podemos”. Nesses momentos de dúvida e de sobrecarga, temos a alternativa de nos reposicionarmos e nos prepararmos para desenvolver as competências necessárias para este desafio no futuro.

Por fim, o realismo da vida do empreendedor. Haverá momentos muito bons, de conquistas, reconhecimento e alegrias, mas também épocas difíceis, de sacrifício, tristeza e fracasso. A resiliência e a mentalidade de encontrar prazer com a jornada e não com um suposto ponto de chegada são muito importantes.

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer participar da discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *