É muito comum confundir um plano de ação, objetivos e metas e programações de atividades com ter uma estratégia. E isto não é uma mera questão de semântica, mas de utilidade para avaliar o posicionamento e a competitividade de sua empresa ou gerência.

A estratégia diz respeito à organização e ao ambiente em que ela está inserida e sua essência é complexa: não estruturada, não programada, não rotineira e não repetitiva. Envolve leitura do ambiente, autoavaliação e adaptação constantes, requerendo ideias e criatividade para além da estrutura e organização de planos e programas.

Portanto, a estratégia envolve questões de conteúdo e de processo: é sobre o que é formulado e como essa formulação é viabilizada. O conteúdo necessita de priorização para uma efetiva construção do futuro, mais do que um mapeamento de iniciativas com “tudo aquilo que se quer ou se precisa fazer”.

O processo requer uma sistemática de aprendizado e atualização, mais do que momentos de formulação puramente analítica em seminários, retiros ou sessões longas de “planejamento”. Afinal, as estratégias não são puramente deliberadas: a estratégia pretendida será diferente da realizada, por conta de impossibilidades não antecipadas, novidades, aprendizados e novas ideias.

Do ponto de vista de sua utilidade, a estratégia fixa a direção e concentra os esforços, de modo a otimizar o tempo das decisões e promover o alinhamento e coordenação das equipes. Isto desde que: (a) não provoque fixação excessiva com o direcionamento, causando uma alienação e travando o aprendizado e (b) que não gere conformidade e uniformidade excessiva no pensamento de grupo (groupthink), dando espaço para o diferente e para o questionamento das equipes.

A estratégia também define o posicionamento empresarial distintivo no mercado, desde que não cause limitações excessivas e a empresa se enclausure em si mesma, reduzindo os espaços para respostas ao mercado e inovações em busca de novos produtos, serviços e mercados.

Estratégia é equilíbrio. Entre o concreto e o abstrato; entre a análise e a intuição; entre a padronização para a uniformidade e o espaço para liberdade criativa individual; entre a disciplina da programação e a flexibilidade da adaptação.

 

Neste link você pode ler de uma forma mais completa sobre planejamento estratégico: Planejamento Estratégico para Pequenas e Médias Empresas

A abordagem de planejamento estratégico da Delta Consulting é focada na construção de processos em grupo que viabilizem este equilíbrio e possibilitem a elaboração de planos vivos, com sistemáticas de monitoramento e aprendizado que os mantenham sempre atualizados e relevantes, mobilizando as equipes e otimizando esforços para os resultados. Saiba mais em: www.deltaconsulting.com.br/contato

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *