É de amplo conhecimento (popular e científico) que o estresse no trabalho reduz os níveis de motivação, criatividade e produtividade. Uma das maneiras de provocar o estresse é justamente pelos efeitos não-intencionais de atitudes da liderança. A maneira como um gestor demonstra seus sentimentos e se expressa (por uso de palavras específicas, tom de voz, atitudes e linguagem corporal) pode ter repercussões muito negativas sobre a equipe.

O uso excessivo e inapropriado de palavras negativas como terrível, péssimo, catastrófico e perigoso, pode aumentar o estresse e o nível de preocupação da equipe. Substituí-las por indesejado, inapropriado, desafiador ou problemático pode gerar o mesmo conteúdo de discussão com um clima muito mais favorável. Obviamente que isso não pode ser artificial e palavras negativas devem ser utilizadas, mas em seu contexto adequado.

como gestores aumentam o estresse da equipe

Photo by Luis Villasmil on Unsplash

Ações desestruturadas ou erráticas podem aumentar a confusão e reduzir de modo expressivo a capacidade produtiva da equipe. A flexibilidade, disposição para experimentação e capacidade de geração de ideias são atributos muito desejáveis na liderança. Mas quando estes atributos se apresentam de forma exagerada, perdendo o foco das ações e o fio condutor do trabalho da equipe, não é mais capacidade de raciocínio ou criatividade: é confusão e complexidade desnecessária para o trabalho de sua equipe.

Confiabilidade, previsibilidade, estrutura e rotina são elementos fundamentais para o funcionamento das equipes. Não crie uma ansiedade adicional na equipe com a expectativa sobre qual vai ser sua próxima ideia mirabolante. Você pode até se sentir inteligente e criativo, mas sua equipe certamente não vê dessa forma e não irá dizer isso a você.

Ignorar os sentimentos e emoções das pessoas é outro erro capital. Em momentos de sobrecarga de trabalho e de muitas preocupações com o contexto do mercado, tendemos a acelerar o tratamento da equipe, ignorando questões subjetivas. Se você não conseguir captar o que as pessoas estão sentindo e se não se colocar no lugar delas para isso, vai acabar falando e gerenciando no vazio e as pessoas não produzirão os resultados desejados.

Com a redução dos resultados, aumentarão as cobranças, você não vai saber por que aquilo está acontecendo e vai intensificar ainda mais a cobrança ou desistirá da pessoa, deixando-a de lado e gastando ainda menos tempo com ela. De qualquer forma, isso só vai reduzir ainda mais o potencial de resultados e a situação entrará num ciclo vicioso.

O excesso de pessimismo pode ser tão ruim quanto um otimismo sonhador. Por vezes os gestores usam de cenários e discursos excessivamente pessimistas para preparar sua equipe ou para desafiá-la e o efeito é exatamente o oposto. A negatividade das situações deve ser exposta, mas a manutenção da calma e o foco num futuro possível são fundamentais para a clareza de pensamento e para a mobilização do coletivo (como a propaganda do governo britânico na Segunda Guerra Mundial, keep calm and carry on).

A liderança tem um papel fundamental no clima e na saúde mental de sua equipe. Avalie-se com franqueza e veja se está deixando passar algum desses pontos. Todos estamos vulneráveis a estes erros a todo o momento.

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *